Acusado de matar o cunhado em Cordeirópolis será julgado pelo júri em novembro

A Justiça de Cordeirópolis agendou a audiência de julgamento de C.S.N., acusado de matar, com golpes de faca, Jonas Daniel Alves Guimarães em 22 de julho de 2018. O Tribunal do Júri irá decidir se o réu é culpado ou inocente.

A denúncia contra C. é assinada pelo promotor Hélio Dimas de Almeida Júnior, que pede a condenação dele por homicídio qualificado (mediante recurso que dificultou a defesa da vítima). A confusão que terminou em morte teve início numa festa promovida pelo réu para comemorar seu aniversário e a vítima compareceu no evento porque namorava a irmã de C..

Na ocasião, houve uma discussão entre o casal e, assim que terminada, a vítima deixou o local, foi para sua casa, trancou as portas e deitou-se para dormir. Logo depois, a namorada da vítima foi até o local acompanhada de familiares, entre eles o réu, pulou o muro, arrombou uma das portas, foi até Jonas e nova briga começou. O desentendimento terminou na via pública e a vítima conseguiu se refugiar na casa de um vizinho, onde ficou até a situação se acalmar.

Quando retornava para casa, outra vez Jonas foi abordado pela namorada e nova confusão teve início. Foi nesse momento que ele foi esfaqueado pelo réu. “C. decidiu colocar em prática seu desiderato criminoso de ceifar a vida de Jonas. Ele aproveitando-se do fato de a vítima estar distraída envolvida na contenda com a namorada, a surpreendeu pelas costas e lhe desferiu três golpes de faca na região anterolateral do hemitórax esquerdo com a intenção de matá-la. Jonas, mesmo ferido, conseguiu percorrer cerca de cinquenta metros a pé e, com a ajuda de sua irmã, foi socorrido por equipe médica e encaminhado ao hospital, todavia, em decorrência das facadas dadas por C., a vítima veio a falecer antes de chegar ao pronto-socorro”, acusa o Ministério Público (MP). Após os golpes, C. fugiu e foi preso dois dias depois por força de um mandado.

O réu foi pronunciado em julho de 2019, a defesa recorreu da sentença de pronúncia e o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), em acórdão proferido em 30 de setembro de 2020 daquele ano, negou provimento.

Na última quarta-feira (15), o juiz substituto Tales Novaes Francis Dicler designou o dia 11 de novembro a realização da sessão de julgamento pelo Tribunal do Júri de Cordeirópolis, que ocorrerá no plenário da Câmara Municipal a partir das 9h30. Na ocasião, a defesa pedirá absolvição do réu com a tese de que ele agiu em legítima defesa. Caberá ao corpo de jurados decidir se ele é inocente ou culpado.

Compartilhe

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

quatro + catorze =

error: Conteúdo protegido por direitos autorais.