Condenado em Limeira integrante de organização que traficava drogas em larga escala

A Justiça de Limeira condenou no final do mês passado F.A.P.O., que é acusado de integrar uma organização criminosa estruturada para a prática de tráfico de drogas em larga escala e que atuava em diversas etapas do tráfico de drogas, com laboratórios em Limeira e em Nazaré Paulista. A defesa pode recorrer.

F. foi um dos 26 denunciados pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), após investigação feita pela Polícia Federal (PF) de Piracicaba. De acordo com a apuração, o bando era responsável em preparar compartimentos secretos nos caminhões e, em Limeira, mantinham duas chácaras. Uma delas era onde ficavam guardados os caminhões, enquanto que na outra era feito o preparo dos compartimentos secretos.

Quando houve a descoberta dos imóveis em Limeira, os policiais encontraram documentos que ligavam algumas pessoas a outro endereço em Nazaré Paulista, onde foram apreendidos 122 quilos de cocaína e 5,9 quilos de maconha. F. foi um dos abordados naquela cidade quando fazia o transporte de entorpecentes numa Kombi. De acordo com a PF, as drogas seriam levadas para os pontos de venda na capital paulista.

Em juízo, o réu disse que em 2017 passava por dificuldades quando recebeu a proposta para fazer frete de algo ilícito. Explicou que fazia o transporte de Guarulhos até Nazaré Paulista e ganhava R$ 500 por viagem, depois devolvia o veículo em Guarulhos.

Negou ter realizado o transporte de pessoas, afirmou ter dirigido um veículo KIA e foi para Nazaré Paulista cerca de três vezes e que não sabia que seu cunhado e a esposa dele tinham relação com a refinaria em Limeira. A defesa alegou inépcia da denúncia, ilicitude de prova e requereu a absolvição por insuficiência probatória.

O juiz Edson José de Araújo Junior, da 3ª Vara Criminal de Limeira, considerou que o réu integrava o bando que, além do tráfico de drogas, usava armas de fogo. “O conjunto probatório demonstra que o acusado integrava organização criminosa estruturada e hierarquizada, constituída por várias pessoas, destinada à prática do tráfico de drogas e outros crimes. Como bem delineado pelo Ministério Público, a organização criminosa atuava com o emprego de armas de fogo”, descreveu. No ato da prisão, os policiais tiraram de circulação inclusive uma metralhadora, além de outras armas.

F. foi condenado por integrar organização criminosa e por tráfico de entorpecentes. Sua pena foi fixada em 11 anos e 8 meses de reclusão no regime fechado. Cabe recurso.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Compartilhe

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

9 − 1 =

error: Conteúdo protegido por direitos autorais.