Como limpar o fogão usando a internet

por Fernando Bryan Frizzarin

Neste último final de semana, ocorreu um episódio inusitado aqui em casa. A conclusão final, para quem é ansioso ou apressado, é que há uma importância enorme em fazer uma boa curadoria do que as crianças assistem na internet, especificamente no Youtube.

O difícil é que os filtros existentes ainda não permitem estabelecer exatamente, com base na descrição do discurso do vídeo, o que os pequenos podem ou não assistir, mas a inteligência artificial está por aí e me enche de esperança.

Fiquei um bom tempo assistindo vídeos no Youtube com meu filho mais novo; o Manual do Mundo é o que mais me agrada, mas ele gosta de ver um tal de Mister Beast e um monte de gente diferente que fica jogando Minecraft, jogo que me agrada muito também, mas os youtubers, além de jogar, só gritam e falam bobagens, o que não me agrada nada.

Sugeri procurarmos algo diferente que ensinasse algo útil, mas inusitado, e procuramos por “coisas para fazer em casa”. Bricolagem, mudanças e organização imperam; tem todo tipo de gente, com todo tipo de assunto, com todo tipo de estilo, para ensinar como fazer uma micro reforma na sala ou no quarto, quais móveis são mais adequados para quem muda-se sempre e milhões de jeitos diferentes de dobrar as roupas e as toalhas para ficarem organizadas e caberem direito no armário.

O tempo voa e realmente pode ser divertido usar um pouco de tempo para estar junto com as crianças em uma atividade assim, mas eis que surgiram alguns vídeos de gente ensinando a limpar tudo em casa. Tem um jeito “certo” para limpar as cortinas, as cadeiras, o vaso sanitário e até os cantos das paredes! Não podia passar por essa vida sem saber de tudo isso. Mas o mais relevante de todos foi “como limpar o fogão”.

O vídeo ensinava a fazer uma gororoba com vinagre, bicarbonato de sódio, detergente e sal. A dica era esfregar e esfregar.

De cara, duvidei. O segredo mesmo é esfregar. Se esfregar bastante, a abrasividade da bucha limpa até carvão. O difícil é a paciência e a força. Cravei: fake.

Aí foi um debate acalorado entre uma criança que quase tudo sabe e um adulto que sabe que quase nada sabe. O importante é que essa discussão abriu espaço para reflexões interessantes sobre o que é real ou não na era digital e por que tantas pessoas se sentem motivadas a criar conteúdos falsos.

Papo vai, papo vem, “você duvida de tudo”, e sem esboçar qualquer recuo, mais contrariado do que desafiado, acho, resolveu me provar que dava certo e que a youtuber sabia o que fazia.

“Mãe, onde tem vinagre?”, “mãe, onde tem bicarbonato de sódio?”, mãe, mãe e mãe. Impressionante como a gente não sabe se tem e onde tem nada, e a mãe sempre sabe! Teorizo que as mães do mundo possuem técnicas para esconder as coisas bem debaixo do nosso nariz só para a gente ter que perguntar onde fica tudo.

E lá se foi na limpeza. Pura sorte minha que estava completamente errado. Meu filho não apenas conseguiu limpar o fogão, mas o deixou reluzente, como se fosse novinho em folha. Adorei e a mãe mais ainda! Triunfante, olhava para mim com um sorriso de “eu te disse”.

Está vendo como uma boa curadoria de vídeos que as crianças assistem, a oportunidade de colocar o que aprendem em prática (alô professores do fundamental!), geram experiências fantásticas? A curadoria de conteúdo torna-se crucial para garantir que eles tenham acesso a informações úteis e confiáveis, ao mesmo tempo em que desenvolvem habilidades críticas para discernir entre o real e o fictício e dominar o mundo para si.

Agora estou procurando um vídeo que ensine a limpar vidros para desafiá-lo. Acho um saco esse serviço. 🙂

Fernando Bryan Frizzarin é professor, escritor, inventor, é Gerente do Suporte Técnico da BluePex Cybersecurity S/A, Diretor Técnico e Operacional na Fábrica de Inovação de Limeira e professor do ensino superior nas FATECs Araras e Americana, SP. Formado em Ciência da Computação, Especialista em Redes, Psicopedagogo e MBA em Gestão Estratégica da Tecnologia da Informação. Autor, coautor ou participante de vários livros na área de computação e literatura. Depositário de patente, marca e de diversos registros de programas de computador como autor ou coautor em cooperação com colegas de trabalho ou alunos. Membro imortal da Academia Mundial de Letras da Humanidade sucursal Limeira, SP. Foi laureado com o Diploma Pérola Byington da Câmara Municipal de Santa Bárbara d’Oeste e Professor Universitário Inovador da Câmara Municipal de Limeira.

Artigos assinados correspondem ao pensamento de seus autores e não refletem, necessariamente, a opinião do DJ, que pode deles discordar

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

error: Conteúdo protegido por direitos autorais.