Colombianos dizem que foram recrutados por nigerianos e furtaram remédios caros em Limeira

A Justiça de Limeira concedeu liberdade provisória, mediante cumprimento de medidas cautelares, a um dos colombianos detidos na noite de sexta-feira (30/04) sob acusação de furto de mais de mil caixas de medicamentos de uma farmácia localizada no bairro da Boa Vista. O outro envolvido teve a prisão em flagrante convertida para preventiva (por prazo indeterminado).

Detidos por policiais militares, os colombianos H.M.T.B, de 37 anos, e H.S.R., de 34 anos, contaram à polícia que residem há vários anos em São Paulo, capital – um no Centro e outro no Jd. Campos Elíseos – e vieram para Limeira a convite de nigerianos para furtar uma farmácia. O Ford Fiesta que utilizaram foi trazido da capital.

Os colombianos não indicaram os nomes dos supostos nigerianos e, no plantão policial, utilizaram o direito constitucional de não produzirem provas contra si e nada falaram a respeito do recrutamento para o crime.

Os PMs foram acionados durante a madrugada e encontraram os colombianos próximos à farmácia, dentro do Fiesta que estava com placas adulteradas. No porta-malas do veículo, encontraram 4 sacos de lixo cheios de caixas de remédios – eram 1.021 caixas. Conforme os agentes, os algarismos 5 da placa foram transformados em 6.

Só os mais caros

Os policiais tiveram acesso às imagens das câmeras de vigilância da farmácia. Elas mostram a dupla subtraindo os remédios das prateleiras, fazendo, inclusive, uma seleção do que pegavam. O método sugere que não pegavam qualquer medicamento, mas escolhiam os produtos que desejavam. Dentro de uma geladeira que conservava medicamentos, todos os produtos foram levados.

Representante da farmácia confirmou à polícia que os colombianos demonstravam conhecimento dos medicamentos, já que pegaram os mais caros da prateleira. A carga levada foi avaliada em R$ 30 mil.

A apuração preliminar indica que os colombianos abriram uma porta de aço da farmácia utilizando alguma chave falsa, que não foi localizada. A porta havia sido trancada por um funcionário do estabelecimento horas antes.

Na Justiça

No dia seguinte, em audiência de custódia, a promotora Paula Alessandra de Oliveira Jodas pediu a conversão da prisão em flagrante em preventiva para o colombiano de 34 anos, que responde a outros crimes de furto. Em relação ao outro acusado, o Ministério Público, em função da inexistência de antecedentes criminais, opinou pela liberdade provisória com imposição de medidas cautelares.

Em despacho assinado no dia 30, o juiz Edson José de Araújo Júnior atendeu os dois pedidos do MP e expediu alvará de soltura para um dos colombianos. O outro detido, porém, já ingressou nesta segunda-feira (03/05) com novo pedido de liberdade provisória, alegando que possui uma filha de 3 anos para cuidar e que é primário. O pedido ainda será analisado pela Justiça após posicionamento do MP.

Foto: PM-SP

Compartilhe

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

error: Conteúdo protegido por direitos autorais.