CHERNOBYL – Uma tragédia ecoa nas telas

por Farid Zaine
@farid.cultura

Com a chegada aos cinemas do filme russo “Chernobyl – O Filme – Os Segredos do Desastre”, é oportuno voltar a comentar a minissérie “Chernobyl”, disponível na HBO Max. Um bom exercício será maratonar a minissérie e depois ver a versão russa da história na tela grande.

Vamos, então, ao que podemos ver em casa, antes de ir ao cinema:

O maior acidente nuclear da história aconteceu há 33 anos, na então União Soviética, na Usina de Chernobyl.  O Partido Comunista tentou, de todas as formas, impedir que a dimensão do desastre chegasse ao resto do mundo. Em 1991 a União Soviética acabou, e em 2006 Gorbachev reconheceu que esse fim foi provocado pelo acidente em Chernobyl. Isso é possível compreender com riqueza ímpar de detalhes através da minissérie sobre o assunto disponível na íntegra na HBO Max. São 5 episódios magníficos, em que uma extraordinária recriação de época, um roteiro de rara clareza científica sobre um tema muito complexo e um preciosismo técnico impressionante nos entregam a história desse trágico acontecimento que abalou o mundo. “Chernobyl” recebeu o Emmy de Melhor Minissérie, Melhor Direção e Melhor Roteiro na 71ª edição do prêmio, tendo obtido 19 indicações.

A minissérie “Chernobyl” deveria ser exibida na íntegra em todas as escolas. Difícil citar um filme ou outra série que dissecam com tanto cuidado um episódio realmente acontecido , e nem há tanto tempo assim. O acidente nuclear retratado nesta que é uma   das melhores minisséries já produzidas, foi capaz de fazer desmoronar o aparato político da poderosíssima União Soviética, e colocar luz sobre mentiras que tinham o objetivo de esconder a realidade e proteger um Governo  – totalmente ciente de sua enorme culpa – de ser condenado por todo o Planeta.

Não é fácil assistir a “Chernobyl” . É uma dura experiência. Mas não é fácil também não passar imediatamente a um outro episódio, quando termina o que você estava vendo. Não há roteiro de ficção científica ou filme de terror que possam se aproximar de uma história tão pesada assim, e rigorosamente real.

“Chernobyl” revive os dias anteriores ao acidente que marcou a humanidade nas últimas décadas, todos os momentos da explosão do núcleo do reator da Usina Nuclear daquela região na Ucrânia e os acontecimentos posteriores, com a tragédia das mortes que foram se sucedendo, primeiro de imediato, depois ao longo dos anos. Chocante ao extremo em seu realismo brutal, “Chernobyl” virou um documento importante para se compreender um dos momentos mais delicados da história recente, quando o mundo encara a possibilidade concreta de uma hecatombe resultante do uso da energia nuclear. O que virá nos próximos anos? Como não imaginar que aconteça outro acidente assim, em que uma explosão poderá lançar no ar o equivalente a 400 bombas de Hiroshima, ou mais? Quantas gerações sofrerão o prolongado efeito da radiação emanada de eventos dessa natureza?

“Chernobyl”, com sua corajosa clareza, abre os olhos do mundo para uma região dura e cruelmente castigada, e que até hoje é um amontoado de escombros a exibir permanentemente a face exposta de uma mentira, o poder devastador da ganância e a dolorosa impotência humana diante de um erro tão grande, e evitável .

Vejamos “Chernobyl” como uma espetacular minissérie, com todos os seus excepcionais apuros técnicos, com seu elenco irretocável (Jarred Harris, Stelan Skarsgard e Emily Watson, soberbos), sua direção precisa (Craig Mazin)  e sua dramática trilha sonora, composta por Hildur Guonadóttir, a vencedora do Oscar pela trilha de “Coringa”. Mas, por mais que doa, nunca nos esqueçamos de que estamos diante da verdade. A União Soviética tentou esconder essa verdade. Hoje, após a repercussão e o sucesso de “Chernobyl”, a Rússia apresenta sua versão para a mesma história. Difícil será achar panos suficientes para cobrir tão explosiva ferida. É o que vamos conferir em “Chernobyl: O Filme – Os Segredos do Desastre”, se há mais coisas realmente a mostrar ou se tudo já foi suficientemente esclarecido na já antológica minissérie aqui comentada.

CHERNOBYL – Minissérie em 5 episódios – HBO Max
Cotação: *****ÓTIMA

Compartilhe

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

17 − 3 =

error: Conteúdo protegido por direitos autorais.